Cristãos, discípulos do Ressuscitado!

Estimados irmãos e irmãs em Cristo Jesus. As celebrações da semana Santa e da Festa de Páscoa podem reacender em nós a chama de fé, daquela fé assumida no coração e na missão pelos apóstolos e discípulos do Ressuscitado. Uma fé comprometida com os ensinamentos do Mestre, que cuida da vida, dom de Deus, em todas as suas realidades. Uma fé que sabe ser portadora de esperança, por mais dura que seja a realidade humana e espiritual em que vivem os discípulos do Senhor.

 

Depois da celebração da Páscoa, Jesus se manifesta aos apóstolos e lhes confia a missão de continuarem dando testemunho, ou tornar visível o amor do Pai no mundo. Um amor aberto ao perdão e à reconciliação, um amor divino, que carrega consigo a força criadora, a misericórdia e a grandeza de Deus. Esse amor divino também pode e deve ser acolhido no pequeno coração do homem, para que ele possa experimentar em sua vida, pelo dom da fé, a presença de Deus, a graça redentora do perdão, a paz da reconciliação e a misericórdia do Pai.

 

Os batizados são discípulos que vivem a vida de fé, não somente na dimensão espiritual; eles também sentem a necessidade dos sinais visíveis da presença misericordiosa de Jesus. Por isso, continuamente alimentam a comunhão com o Ressuscitado, através dos sacramentos, da participação ativa na vida da Igreja, comunidade de fé, fortalecendo a vida espiritual com o Pão da Palavra, da Eucaristia, da caridade e a dimensão do amor-serviço pela causa do Reino.

 

Para Tomé, não bastava ouvir os amigos dizerem que tinham visto o Senhor ressuscitado. Ele também tinha no seu coração a vontade de encontrar o Ressuscitado. Podemos achar que a sua atitude era motivada pela fragilidade da sua fé. Porém, ele também tinha o direito de ver Jesus, como os outros, para poder ser testemunha direta da ressurreição. Ele sente-se contemplado pelo Senhor, no seu querer vê-lo ressuscitado, a ponto de proclamar aquilo que os outros não tinham proclamado: “Meu Senhor e meu Deus!” A sua resposta é de uma fé total e perfeita, mas ele também sentiu no seu coração o peso da “dúvida”, por não acreditar no testemunho dos amigos. Jesus reconhece a fé de Tomé, porém declara “bem - aventurados os que creram sem terem visto!”

 

“A fé torna-nos fecundos, porque alarga o coração com a esperança e permite oferecer um testemunho que é capaz de gerar: de fato, abre o coração e a mente dos ouvintes para acolherem o convite do Senhor a aderir à sua Palavra, a fim de se tornarem seus discípulos”(Papa Bento XVI, Porta Fidei ).

Bispo Diocesano de Caxias do Sul