O rosto do amor-caridade!

Queridos irmãos e irmãs em Cristo Jesus! A palavra de Deus nos ajuda a superarmos os momentos mais difíceis, nos dá coragem para abrirmos o nosso coração para a solidariedade humana, nos mostra as nossas fragilidades, nos ensina a sermos vigilantes e fiéis aos nossos deveres de cristãos comprometidos com o Reino de Deus, sem esquecermos daqueles que estão fragilizados e feridos pelo contexto atual, da realidade sócio-econômica, mas também humana e espiritual, que estamos atravessando. 

 

A realidade que estamos vivendo pode levar muitas pessoas e famílias a perderem a autoestima e a confiança na capacidade de recomeçarem, de percorrerem um novo caminho, marcado por sonhos e esperança em relação ao futuro e à própria vida. Como Igreja, comunidade de fé, alimentamos a nossa peregrinação para a casa do Pai, com o pão da Palavra e o pão da Eucaristia. Mas a Palavra de Deus e a Eucaristia devem gerar em nós um compromisso com a vida, não de forma egoísta, mas de caridade e solidariedade em relação à vida dos nossos irmãos e irmãs que passam por privações. Este é um momento da nossa história em que precisamos olhar a realidade da vida com os olhos do coração, como fez o Senhor Jesus, caminhando pelas estradas da Palestina. Ele vê a realidade do povo, fala com as pessoas, sabe ouvi-las, as compreende e manifesta “compaixão” pela dor que toca a vida de cada um.

 

Queridos irmãos e irmãs, mesmo em meio a tantas provações que ferem a nossa vida, não esqueçamos que o Senhor Jesus continua presente na história, percorrendo a estrada da nossa vida pessoal e da nossa comunidade de fé, através da Palavra e da Eucaristia. Ele continua saciando nossa sede de amor, de perdão, de reconciliação, porque nos ama, não como massa anônima, mas como pessoas que se tornaram amáveis pelo seu amor.

 

Como Igreja, comunidade de fé, não devemos fechar os olhos diante da realidade, por mais dura que ela seja, achando que, não vendo, vamos nos sentir mais seguros, vivendo na indiferença, enquanto a vida e a dignidade do outro é ferida e desprezada. Precisamos ter sempre presente as palavras de São João: “Meus filhinhos, não amemos com palavras nem com a boca, mas com obras e com verdade” (1 Jo 3,18). A caridade dá dignidade à pessoa que a pratica e a quem a recebe. As boas obras, pelas quais nós fomos criados, são as obras do Espírito. São os frutos da Palavra de Deus, escutada e colocada em prática nos pequenos gestos e ações do dia a dia.

 

De coração, agradeço as pessoas, famílias e empresas que colaboraram com o “Mutirão pela vida de quem têm fome”. Graças a vossa generosidade cristã e ao vosso amor-caridade, milhares de pessoas e famílias da nossa Diocese, que estão passando por necessidades, serão beneficiadas com alimentos e agasalhos. Deus seja louvado pela vida, a fé e o amor-caridade presente no vosso coração de filhos e filhas de Deus.

 

Por intercessão de Nossa Senhora de Caravaggio, nossa mãe, rainha e padroeira de nossa Diocese, e de Santo Antônio, abençoe-vos o Deus todo poderoso, Pai e Filho e Espírito Santo. Amém.

Bispo Diocesano de Caxias do Sul