O testemunho de fé dos leigos no mundo!

Estimados irmãos e irmãs em Jesus Cristo! Neste mês vocacional, não poderíamos deixar de recordar e celebrar a vocação dos leigos na vida da Igreja, tendo presente que eles são os grandes protagonistas na Igreja em nossas comunidades. O Concílio Vaticano II é um marco na vida da Igreja, porque marcado por um olhar sobre o passado, tendo presente o caminho percorrido, mas também por um olhar de esperança em relação ao futuro, lembrando que o Reino de Deus vai sendo construído na realidade da vida do Povo de Deus, com suas alegrias e provações. 

 

O Concílio também valorizou o papel dos leigos na Igreja, a sua participação ativa na ação e na missão evangelizadora. A colaboração dos leigos e a importância do seu protagonismo na comunidade foi recordado também no Documento de Aparecida (DAp. p. 282): “Todos os homens e mulheres batizados devem tomar consciência de que foram configurados com Cristo Sacerdote, Profeta e Pastor, através do sacerdócio comum do Povo de Deus. Devem sentir-se corresponsáveis na construção da sociedade segundo os critérios do Evangelho, com entusiasmo e audácia, em comunhão com seus Pastores”.

 

Neste dia em que lembramos e celebramos a vocação e a missão dos leigos na ação evangelizadora da Igreja, quero manifestar minha gratidão aos milhares de leigos que atuam nas comunidades da nossa Diocese, participando das pastorais, dos movimentos, dos conselhos, das equipes administrativas e também nas obras de caridade. Creio que cada um leva no seu coração as sementes do Evangelho, que o Senhor lhes confiou pelo dom da fé, para serem semeadas com amor, ternura, compaixão e esperança na missão e no serviço aos irmãos e irmãs na comunidade.


Cada batizado é herdeiro da fé de gerações de leigos que nos precederam na família e na comunidade. E mesmo tendo sido provados duramente pelos acontecimentos da vida, sob o olhar e a proteção materna da Virgem Maria, Nossa Senhora de Caravaggio, perseveraram no amor de Jesus Cristo e na comunhão com a Igreja. Eles nos deixaram um bonito testemunho da fé, de solidariedade e de esperança, que marca profundamente as comunidades. Como herdeiros deste passado, possamos testemunhá-lo no presente e transmiti-lo fortalecido para as gerações que nos sucederão.

Bispo Diocesano de Caxias do Sul