Por que rezar pelas almas no Dia de Finados?

O próprio nome já revela a intenção desse dia: Finados, aqueles que já findaram seu tempo de vida sobre essa terra, mas que aguardam e se purificam para o feliz dia em que face a face contemplarão o Senhor. É dia de lembrarmos de nossos parentes e amigos falecidos e não só alimentar a saudade, mas oferecer-lhes nossas orações, verdadeira obra de caridade tão necessária para o alento das almas.

 

Como católicos, devemos enxergar as realidades com os olhos da fé, também a inevitável realidade da morte. A morte não é ponto final, mas marca o fim de um tempo de decisão e adesão ou não ao Amor e à Vontade de Deus.

 

Temos fé na Vida Eterna e sabemos que nessa peregrinação terrestre decidimos nossa eternidade: Céu ou inferno. Sabemos também que para entrar no Céu é preciso um amor tão puro e uma santidade perfeita que muitos não alcançam antes da morte, então, nos ensina a Mãe Igreja, que passaremos por uma purificação final necessária, o Purgatório - completamente diferente do castigo dos condenados no inferno (cf. CIC n.1030-1031).

 

Por que rezar pelas almas?

 

As almas em purificação no Purgatório, não podem mais fazer nada por elas mesmas, porque a morte põe fim ao tempo de conquistar méritos diante de Deus; então, quem as socorre são os santos e nós, os fiéis na terra. Por isso, é grande obra de caridade para com as almas oferecer para sufrágio delas a santa Missa, o Terço, as indulgências, as orações, penitências e esmolas. É nas nossas preces e orações que estas almas encontram seu maior auxílio e consolo; é, sim, por meio de nossa suplica constante e confiada que Deus, no mistério de sua Providência, lhes encurta o tempo de purgação e as conduz definitivamente à glória do seu Reino.

 

Nesse dia, a Igreja também dispõe dos 'santos tesouros' e oferece a todos os fiéis a possibilidade de lucrarem, em favor das almas do Purgatório, uma indulgência plenária. Tudo o que devemos fazer é ir a um cemitério de nossa escolha ou a uma igreja ou oratório e lá, com fé e devoção, rezar pelos defuntos pelo menos um Pai-nosso e um Creio. Feito isso, precisamos nos confessar, comungar e rezar nas intenções do Papa. Estas três condições podem ser preenchidas em dias diversos e em qualquer ordem. Essa indulgência plenária, lembremo-nos, é aplicável somente à alma do Purgatório pela qual rezarmos; se essa alma já estiver no Céu, Nosso Senhor, em sua infinita bondade e sabedoria, aplicará a indulgência à alma que desejar. Devido à este tempo de pandemia, também é importante que saibamos que a indulgências do dia de Finados e também as que são concedidas durante a primeira semana do mês de Novembro foram prorrogadas, e é possível obtê-las durante todo o mês de Novembro.

 

Em união com toda a Igreja, no dia 2 de novembro, inundemos o Céu com nossas orações e súplicas pelas almas que ansiosamente esperam ir, enfim, para o seio do Pai!

 

“Levemos-lhe socorro e celebremos a sua memória… Porque duvidar que as nossas oferendas em favor dos mortos lhes levam alguma consolação? Não hesitemos em socorrer os que partiram e em oferecer as nossas orações por eles” (São João Crisóstomo).