Uma história de amor, comunhão e martírio

Estimados irmãos e irmãs em Cristo! Como Igreja comunidade de fé, recordamos diante do Senhor o martírio de São Pedro e São Paulo. Dois homens com uma história de vida bem distinta, mas marcados por um caminho de fé, que nasceu e cresceu pelo encontro com o Senhor Jesus. Um encontro que mudou e marcou suas vidas, porque acolheram o Senhor e abraçaram a missão de anunciá-lo ao mundo. Esta fidelidade ao Senhor e ao Evangelho os conduziu ao martírio e os preservou para a história, pelo testemunho de fé no Senhor Jesus. 

 

Eles são testemunhas de que, quando acolhemos o Senhor no nosso coração, a vida ganha um novo sentido. Pedro era um homem simples, que encontrou pela primeira vez à beira do lago da Galiléia aquele que deveria tornar-se seu Mestre. Inicialmente o identificou como o carpinteiro vindo de Nazaré, depois se deu conta de que era um grande profeta, para, em seguida, descobrir sua verdadeira identidade, em Cesaréia de Filipe: nem carpinteiro, nem profeta, mas “O Cristo, o Filho do Deus vivo” (Mt 16,16). No entanto, crer em Cristo não significa aderir a um pacote de verdades, mas compartilhar as escolhas de vida que ele propõe. Os sonhos que cultivava Pedro, de grandeza e de poder, não eram aqueles do Senhor, por isso, foi por várias vezes questionado por Jesus: “Tu não pensas segundo Deus – lhe disse Jesus – mas segundo os homens (Mc 8,33). Somente à luz da Páscoa começou a entender e, timidamente, chegou a confessar a sua frágil fé: “Senhor, tu sabes tudo; tu sabes que te amo” (Jo 21,17).

 

Reconhecer Jesus como o Filho de Deus, o Messias esperado, foi um momento importante para a vida de Pedro. Revelou o seu crescimento espiritual, a sua condição de discípulo que, entre medos e inseguranças, deixou tudo para seguir o Mestre, abraçando a missão de consumir sua vida pela causa do Evangelho.

 

Para seguir Jesus e ser cristão era e é preciso ter coragem e esperança, porque as perseguições colocaram à prova a fé e a fidelidade dos discípulos desde o início. Nos passos da vida e diante das provações, precisamos aprender a confiar que o Deus de Jesus Cristo, Pai misericordioso, jamais abandona aqueles que colocam em risco a própria vida pelo Evangelho. 

 

Anunciar o Senhor Jesus foi a missão que abraçou Paulo desde a sua conversão. Colocou toda a sua cultura, todas as suas energias, toda a sua vida, ao serviço do Reino. Tinha no coração a convicção de que nem a espada nem as perseguições o poderiam separar do amor de Cristo, a quem tinha escolhido servir como discípulo e apóstolo. No final da sua jornada pode afirmar: tudo o que fiz, não fiz sozinho, “O Senhor esteve ao meu lado e me deu forças...”. Paulo demonstra gratidão ao Senhor, porque tocou sua vida, apontou-lhe um novo caminho e caminhou com ele. 

Estimados irmãos e irmãs! O testemunho dos Apóstolos Pedro e Paulo nos motiva a continuarmos a nossa missão de discípulos e discípulas do Senhor também na realidade de hoje, em nossas comunidades e no mundo. Tendo no coração a confiança de que Ele nos chama e nos acompanha na vida e na missão.

Bispo Diocesano de Caxias do Sul