Batismo

Os cursos de Batismo acontecem nas comunidades onde serão realizados o Sacramento. Participam do curso os pais e padrinhos dos que serão batizados.



Agenda


Informe-se sobre as datas e horários dos cursos e batizados na sua paróquia/comunidade.

 

 

Mais informações sobre o curso

O que é o Batismo?

O Batismo é o primeiro dos três sacramentos da iniciação cristã: Batismo, Crisma e Eucaristia. Pelo Batismo a pessoa torna-se verdadeiro filho de Deus e passa a fazer parte da família de Cristo: a Igreja. Na Crisma há a confirmação do Batismo, através dela o cristão recebe o Espírito Santo de Deus. Pela Eucaristia o cristão é alimentado no caminho da vida. O pão e o vinho, Corpo e Sangue do Cristo, dão sustento a todo seguidor de Jesus.

Quando Cristo enviou a seus Apóstolos por todo o mundo, disse-lhes: “Ide, pois, e fazei discípulos a todas as gentes, batizando-as em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo” (Mateus 28,19). “O que crer e for batizado, será salvo; mas o que não crer, será condenado” (Marcos 16,16).

Batismo, do grego Baptisma quer dizer imersão, banho. Por isso trata-se de uma purificação feita com água que lava do pecado original e dá ao batizado uma nova condição de existência. Confere uma vida nova. Igualmente é o batismo que insere a pessoa na comunidade da Igreja. O Batismo é porta de entrada para a Igreja de Cristo.

 
Celebração do Batismo

O Batismo pode ser celebrado durante a missa ou em uma celebração à parte.

São quatro as partes principais do rito batismal: 

1. Acolhida: manifestada pelo "sinal da cruz" traçado sobre a fronte do batizando;

2. Liturgia da Palavra: faz-se a leitura de textos bíblicos relativos ao Batismo. Em seguida faz-se a homilia (mensagem) e as preces; ocorre, depois, a oração "do exorcismo" e "a unção com o óleo dos catecúmenos" no peito da criança. Estes dois gestos recordam, respectivamente, a libertação do pecado original e a luta pelo bem contra o mal;

3. Liturgia Batismal: começa com a "bênção da água" e com o diálogo entre pais, padrinhos e toda a comunidade sobre a: RENÚNCIA A SATANÁS, repetindo-se três vezes o "renuncio" - PROFISSÃO DE FÉ, repetindo-se três vezes o "creio". Em seguida há a SOLICITAÇÃO EXPLÍCITA DO BATISMO E DO NOME a ser dado para a criança. 
- INFUSÃO DA ÁGUA com a fórmula trinitária EU TE BATIZO EM NOME DO PAI, DO FILHO E DO ESPÍRITO SANTO, precedida do nome próprio. 

Seguem-se então "os ritos pós-batismais": 
- A UNÇÃO COM O ÓLEO DO CRISMA, sinal do sacerdócio real de todo crente e de sua participação no povo de Deus;
- a entrega da VESTE BRANCA e da VELA, que o pai ou o padrinho acende no círio pascal, sinais da integridade e da luz da fé a ser professada;

4. Ritos de conclusão: exprimem-se com a recitação comunitária do "Pai Nosso" e com a "bênção" sobre os pais, padrinhos e comunidade, a fim de que todos se sintam renovados no compromisso de crescer até a maturidade da vida em Cristo.

Quem pode ser padrinho ou madrinha?

Os padrinhos de batismo devem ser pessoas que já confirmaram sua fé. Ou seja, já receberam o sacramento da Confirmação (Crisma). O padrinho ou a madrinha deve ser um cristão firme, capaz e pronto para ajudar o novo batizado, criança ou adulto, em sua caminhada na vida cristã (Conf. Código de Direito Canônico, cân. 872-874). Deve ser alguém que participe de sua comunidade e que também incentive o seu afilhado(a) a participar.
A tarefa deles é uma verdadeira função eclesial. A comunidade eclesial inteira tem uma parcela de responsabilidade no desenvolvimento e na conservação da graça recebida no Batismo. (Conf. Catecismo da Igreja Católica, nº1256).

Posso batizar em casa?

No passado, a prática do batismo em casa  se justificava pela dificuldade da falta de sacerdotes para atender todas as comunidades.

As pessoas, então, sabendo que o batismo pode ser feito validamente por um cristão, que use água e a fórmula trinitária, realizavam a celebração nos lares. Quando o padre passava, meses ou anos depois, apenas registrava e confirmava o que já havia sido feito.  

Hoje a situação mudou, especialmente com a facilidade dos meios de locomoção. Há, porém, quem batize em casa e depois pede para batizar a criança na Igreja. O batismo se recebe uma só vez. O sacramento do batismo é essencialmente comunitário e, por isso, deve ser feito na igreja. Somente em perigo de morte permite-se a exceção.

Porque batizar as crianças e não somente depois de adulto?

O costume de batizar as crianças começou quando os adultos, abraçando o cristianismo, queriam que também seus filhos participassem da comunidade e aprendessem, desde cedo, a conhecer e amar Jesus. Mais tarde a prática do batismo de crianças se tornou geral. A criança não recebe o batismo sem fé, porque ela é batizada na fé da Igreja, encarregada de educá-la no cristianismo através de seus pais e padrinhos.

O batismo de crianças não é um atentado à liberdade, porque a liberdade humana está sempre condicionada, e a criança, como nos demais níveis de vida, depende de seus pais a respeito da fé e do batismo.

Afinal, o batismo de crianças exemplifica melhor a gratuidade da salvação e o amor de Deus para com todos. Mais tarde, a mesma criança terá o momento oportuno de fazer a confirmação da fé por ocasião da crisma.

A Igreja recebeu dos apóstolos a tradição de administrar o batismo também às crianças. Assim, se tem a confirmação de que, no início da Igreja, desde o século II, havia o batismo de crianças, ainda que em raras ocasiões.

Recordemos que, no tempo da pregação apostólica, casas inteiras eram batizadas, o que nos leva a pensar que também as crianças recebiam o sacramento no lar cristão.  

Evidentemente, o batismo realizado em crianças supõe uma catequese pós-batismal, para que a pessoa entenda a graça recebida e cresça em sua vida espiritual.

A Igreja Católica reconhece o Batismo de quais Igrejas?
Batizam validamente:
  • Igrejas Orientais Ortodoxas;
  • Igreja Vétero-Católica; 
  • Igreja Episcopal do Brasil (Anglicana); 
  • Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB); 
  • Igreja Evangélica Luterana do Brasil (IELB); 
  •  Igreja Metodista.

Um cristão batizado numa delas não pode ser rebatizado, nem sequer sob condição. 

Batismo válido, com ressalvas

Há diversas Igrejas nas quais, embora não se justifique nenhuma reserva quanto ao rito batismal prescrito, há, contudo ressalvas devido à concepção teológica que têm do batismo. Por exemplo, que o batismo não justifica e, por isso, não é tão necessário. Alguns de seus pastores, segundo parece, não manifestam sempre urgência em batizar seus fiéis ou em seguir exatamente o rito batismal prescrito. Também nesses casos, quando há garantias de que a pessoa foi batizada segundo o rito dessas Igrejas, não se pode rebatizar, nem sob condição. 
Essas Igrejas são:

  • Igrejas presbiterianas; 
  • Igrejas batistas; 
  • Igrejas congregacionistas; 
  • Igrejas adventistas; 
  • A maioria das Igrejas pentecostais (Assembleia de Deus, Congregação Cristã do Brasil, Igreja do Evangelho Quadrangular, Igreja Deus é Amor, Igreja Evangélica Pentecostal, O Brasil para Cristo); 
  • Exército da Salvação (este grupo não costuma batizar, mas quando o faz, realiza-o de modo válido quanto ao rito). 

Batismo duvidoso que requer novo batismo sob condição:

  • Igreja Pentecostal Unida do Brasil; 
  • “Igrejas Brasileiras”; 
  • Mórmons. 

Batismo inválido e, portanto, é preciso batizar:

  • Testemunhas de Jeová (negam a fé na Trindade); 
  • Ciência Cristã (o rito que pratica, sob o nome de batismo, tem matéria e forma certamente inválidas. Algo semelhante se pode dizer de certos ritos que, sob o nome de batismo, são praticados por alguns grupos religiosos não-cristãos, como a Umbanda).
Quantos padrinhos a criança pode ter?

Vale salientar que, para ser padrinho de batismo ou crisma, a pessoa deve já ter sido confirmada na fé, ou seja, recebido o Sacramento da Confirmação (Crisma). Para o registro de batismo no batistério e na lembrança é necessário apenas um padrinho ou um casal de padrinhos.